Conversa em supermercado

Estranhas estão as pessoas nos dias de hoje… Você entra numa loja e há 03 ou 04 vendedores aparentemente desocupados, mas demora um pouco até que um deles se apresente a você, cliente, para perguntar “O que deseja, senhor? Posso ajuda-lo?” Se você observar com atenção, vai verificar que os demais, que não foram atendê-lo, continuam grudados a seus celulares, entretidos numa rede social qualquer, muitas vezes repassando mensagens engraçadinhas, fake news ou diatribes contra políticos em geral, mensagens, boatos ou xingamentos que a eles não interessa se são verdadeiros ou não. 

Mais estranhas ainda são aquelas que, inteiramente desconhecidas para você, te abordam na fila da lotérica ou na padaria da esquina para dizer que a vida no bairro está uma desgraceira, as ruas estão esburacadas, o lixo fica espalhado em torno dos containers, há postes sem lâmpadas, o que aumenta a insegurança, tanto que o número de assaltos triplicou… e quando você retruca, querendo saber o que fazer para melhorar, o cara faz um muxoxo e responde que não tem jeito, o povo brasileiro é uma bosta mesmo!

Aconteceu comigo outro dia dentro de um supermercado.  Um senhor vestido com a camisa do Grêmio segurou o carrinho que eu empurrava e, pedindo desculpas, disse que eu parecia ter a idade dele e, por isso, achava que podia conversar comigo sem problemas. Eu sorri amarelo e ele, sem constrangimento:

— Quantos anos o senhor tem?

— Beirando os 70…

— Isto… eu fiz 70 o mês passado! Em quem vamos votar ano que vem? Bolsonaro?

Eu não gosto de discutir posições políticas publicamente. Quem me conhece e quem acompanha o blog sabe que eu tenho lado, mas minha formação de jornalista (numa época em que jornalismo era uma coisa séria, ética, com a missão fundamental de divulgar os fatos, mostrando todos os lados de uma questão), me inibe de confrontar tais posições com gente que pensa diferente e que, quase sempre, não tem qualquer embasamento histórico e político para debater alguma coisa… é apenas contra! Mas, perguntas diretas merecem respostas diretas…

— O senhor tem a minha idade, não? Então, viveu a ditadura! Mesmo que, na época, não tomasse conhecimento de nada do que estava acontecendo, hoje tenho certeza que sabe o que aconteceu de fato, não sabe? O senhor acha que ditadura realmente resolve?

— Mas, então, em quem vamos votar? Eu não gosto do PT… Eu tenho umas terras aqui em Goiás, 400 hectares, e acho que os sindicatos rurais acabaram com a paz da gente! Olha só como estava funcionando no governo do Lula: tinha um patrão e 04 empregados… o sindicato chegava e obrigava o patrão a pagar salário mínimo, férias, 13° e ainda botava fiscal lá para ver se os caras estavam tendo horário de almoço, hora de entrar e sair… Quem é que aguenta isto? O patrão falia e os empregados perdiam os empregos!

— Perdoe-me, mas o senhor falou em falir com 400 hectares de terras produtivas?

— Modo de falar, claro… Diminui muito o lucro, né?

— O senhor acha, então, que é melhor manter este governo que está aí?

— Deus que me livre! Cada um desta turma aí rouba mais que o Sérgio Cabral e o Eduardo Cunha juntos!

— Pois é, mas o senhor acha que o Lula também roubou muito, não é?

— Não! Isto aí é besteira… Ou ele é muito esperto, o que eu não acredito que seja, e escondeu muito bem a roubalheira, ou é muito burro para receber só um tríplex, um sítio e um prédio! Agora, o Lulinha ficou milionário! A prima de uma amiga minha falou para o marido dela, que me contou, que ele tem uma fazenda no Pará com 200 mil cabeças de gado…

— O senhor acompanha as redes sociais?

— Eu tenho zap zap para falar com os filhos e receber mensagens de alguns grupos em que minha caçula me colocou, mas só recebo…

— E recebeu, claro, fotos do avião preto último tipo, da Ferrari dourada e da sede da fazenda do Lulinha?  Bom… do avião eu não sei nada, mas a Ferrari é de um sheik árabe, que costuma frequentar os cassinos de Monte Carlo com ela, e a sede da pseudo fazenda, na verdade, é a ESALQ, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz, da USP, em Piracicaba…

— Bom, você disse que é jornalista… deve saber o que está falando.

A esposa dele e a filha caçula chegaram perto e ele me apresentou por alto, como que se justificando por ter parado para conversar enquanto elas faziam compras:

— É jornalista… da minha idade! E acho que vamos continuar sem candidato para votar!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *